Musicoterapia e linguagem

“A semelhança entre a construção de uma linguagem musical e de uma linguagem verbal torna a música um importante auxiliar da fonoaudiologia. Atribui-se primordialmente à linguagem da música os processos perceptivos e mentais tais como audição, memória e imitação dos sons ouvidos, aliados ao controle motor dos movimentos físicos necessários. Na fala, ocorre uma mistura dos elementos, acompanhados por símbolos da fala e da música. Durante a percepção da fala e da música, o processo é conduzido em comum com as áreas sensoriais de projeção e com os diversos centros de processamento de informação. A atividade musical e a audição ativa de música podem originar funções que favoreçam a aquisição da linguagem, da atenção e da percepção, e a transferência de um movimento para som e de som para movimento, criando uma experiência de unidade entre linguagem, música e movimento.” (JOHNS, 1991)

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e texto
Anúncios

As emoções influenciam o desenvolvimento cognitivo

Muito se fala da importância do brincar no desenvolvimento infantil. Para que  uma pessoa tenha a capacidade de fazer simbolismos, abstrações, é necessário que a mesma vivencie experiencias para criar. Pensando assim, se uma criança não consegue se relacionar com o meio por observação, experimentação, dificilmente terá a capacidade de desenvolver um pensamento criativo. Crianças em geral, brincam sobre coisas que percebem no dia a dia, por exemplo, brincar de casinha, construir cidades com objetos, etc. Infelizmente, estamos perdendo nossa capacidade de brincar por objetos tecnológicos.

Segundo Greenspan e Benderly (1999), as emoções exercem um papel importante no desenvolvimento cognitivo:

Essas crianças, que sofrem alguns dos problemas mais sérios de pensamento e linguagem que possamos imaginar, de base biológica, podem nos ensinar muito pela observação de como aprendem a pensar, se relacionar e comunicar. As crianças com as quais meus colegas e eu trabalhamos apresentam sérios déficits relacionados a problemas claramente neurológicos, tais como uma fraca capacidade de processar os sons, compreender palavras e executar movimentos sequenciais. (…) vagueiam sem rumo; agitam os braços compulsivamente; esfregam um determinado ponto no tapete de forma intermitente, pequenos objetos em fileiras rigorosamente retas – , nas quais não apresentam capacidade de respostas às tentativas mais básicas de comunicação. (GREENSPAN, BENDERLY, 1999, p. 31)

Os autores enfatizam que programas alguns programas terapêuticos podem inibir a capacidade criativa de uma criança com autismo reforçando um pensamento mecânico e estereotipado, quando poderíamos explorar todo o potencial para o raciocínio criativo e abstrato. “(…) No curso normal de eventos, cada sensação, à medida que é registrada pela criança, também dá margem a um afeto ou emoção” (GREENSPAN, BENDERLY, 1999, p. 37). Isso quer dizer, segundo os autores que uma brincadeira pode ser muito interessante para a criança ou ser desagradável, porque essas experiências vivenciadas determinam as impressões sensoriais que estão atreladas aos sentimentos. Por exemplo: se uma criança apresenta uma diferença inata na formação sensorial auditivo, podem comparar o tom de uma voz alta (frequência e altura) como se fosse o soar de uma sirene, porque só conseguem perceber a altura mais aguda daquela narrativa.

No que se refere a musicoterapia, usar técnicas de improvisação aumenta a possibilidade de extrair a capacidade criativa da criança. Mas, o que eu realmente quero falar nessa postagem é sobre como criar experiencias através do brincar com a música que ajude a modular um comportamento influenciado por incapacidades sensoriais e motoras.

Algumas crianças com autismo, não dão conta da enxurrada de informações sensoriais ao seu redor e oscilam em uma brincadeira entre o prazer, raiva ou medo, por exemplo.  Tenho crianças que podem estar muito envolvidas em um jogo musical ou em uma brincadeira e ao menor movimento, um pouco mais brusco, altera o humor da criança imediatamente de alegria para pânico ou raiva.

Seguindo os preceitos do DIR/Floortime, um dos meus atendidos se enrolou no tapete para se esconder. Seguindo sua liderança, decidi que poderíamos tornar uma brincadeira tão antiga e simples em algo mais divertido com a introdução da música. Nesse jogo foi possível ajudarmos nosso anjinho a controlar sua ansiedade e seu corpo no espaço, saber esperar (e isso para uma criança com autismo é muiiiitooooo difícil). E a nossa tendencia é reforçar porque sempre nos antecipamos a criança e entregamos “tudo de bandeja”. Precisamos criar um expectativa, e deixar a criança responder ao estímulo a seu tempo. Brincadeiras de esconder desenvolvem a capacidade da criança do pensamento, de construir imagens mentais dos objetos e das pessoas.

 

“descobrimos que a unidade básica da inteligência reside na conexão entre um sentimento, ou desejo, e uma ação, ou um símbolo. Quando um gesto ou  uma fração de linguagem relaciona-se, de alguma forma, com desejos da criança – mesmo que seja algo tão simples quanto a vontade de sair ou ganhar uma bola – , ela pode aprender a usar esse gesto ou essa linguagem de forma adequada e eficaz. Até fazer a conexão, no entanto, seu comportamento e sua comunicação permanecem em desiquilíbrio; de fato, a dificuldade em estabelecer tais conexões constitui um elemento básico do distúrbio.” (GREENSPAN, BENDERLY, 1999, p. 35).

Sendo assim, entendo que, quando uma criança apresenta um interesse incomum e persistente, devemos nos conectar a partir deste interesse e transformar essa brincadeira em algo compartilhado e prazeroso. Com afeto envolvido a expansão da capacidade cognitiva será ampliada.

Mt. Michele Senra

Referência:

GREENSPAN, Stanley I; BENDERLY, Berryl Lieff. A evolução da mente: as origens da inteligencia e as novas ameaças a seu desenvolvimento. Tradução: MONTE, Mônica Magnani. Rio de Janeiro: Record, 1999.

Debate sobre autismo

No dia 15 de Maio fui convidada para um debate sobre autismo na Câmara Municipal do Rio de Janeiro. Esses debates são muito importantes para mobilizar mais ações dos políticos à favor da pessoa com deficiência.

A composição da mesa:

Presidência: Exma. Sra. Vereadora Tânia Bastos

Sr. Subsecretário da Subsecretaria da pessoa com deficiente: Geraldo Marcos Nogueira Pinto

Neuropediatra: Dr. joão Gabriel da Rocha silva

Musicoterapeuta: Michele Senra (euzinha)

Neuropsicopedagoga: Rosangela da Silva Paris

Instituto Helena Antipoff: Cristiane Botelho de Lima

Centro de Atenção Psicosssocial Infanto Juvenil: Laura de Carvalho Moraes Sarmento.

Foram homenageados com a comanda municipal em reconhecimento pelo trabalho desenvolvido com pessoas com autismo, os sambistas Ito Melodia e Gugu das Candongas, e eu também. Fiquei muito feliz e honrada com a homenagem.

Porquê trabalhar na regulação/modulação sensorial na musicoterapia?

Desde que iniciei meu trabalho musical com pessoas com autismo, percebi o quanto é importante conhecer sobre integração sensorial para se trabalhar na musicoterapia e educação musical. É uma pena que as grades curriculares ainda não estão atualizadas, isso facilitaria a vida dos futuros profissionais, seja em consultório ou em uma escola.

52

Listarei abaixo esta justificativa:

A aprendizagem dos elementos musicais que constituem o que chamamos de ritmo está diretamente relacionada com as sensações físicas de equilíbrio, peso e movimento corporal. Portanto, as competências com a pulsação/tempo, a divisão da pulsação (binária/ternária), a memória rítmica e a polirritmia (vários ritmos em simultâneo), deverão ser aprendidas justamente a partir das sensações físicas que o nosso corpo já conhece.

As atividades a usar para desenvolver este tipo de competências deverão envolver muito mais do que “palminhas”! A diversidade das atividades relacionadas ao ritmo deverá incluir jogos de movimento corporal e deslocação espacial que envolvam o corpo todo e não apenas os membros superiores.

A estimulação vestibular aumenta a produção  da fala  por causa da relação estreita com o sistema auditivo. Por esta razão, estimular o sistema vestibular pode ser uma boa estratégia quando se quer promover a produção da fala em uma criança.

No caso do trabalho com crianças devemos levar em conta a menor dimensão dos membros, a localização mais baixa do centro de gravidade e a maior velocidade do batimento cardíaco. Portanto os cuidados a ter deverão envolver:

  1. escolher frases com um tamanho e uma regularidade adequadas
  2. Escolher um tempo adequado ao ritmo interno e as características físicas da criança (usualmente mais rápido do que os do adulto)
  3. escolher padrões rítmicos que as crianças possam repetir (levando em conta as características físicas da criança)
  4. escolher movimentos “naturais” para a criança.

Dica de atividade musical para autistas e afins

Há três anos elaborei uma brincadeira musical para minhas crianças com autismo. Ela é simples e pode ser muito divertida!

Objetivo: Estimulação auditiva, planejamento motor, discriminação auditiva e visual, expandir repertório de linguagem…

Material:

1 calha de PVC

2 baldes pequenos

Bolinhas de guizo

Bolinhas sem guizo

11798501_795646517223374_1511366102_n11778172_795646537223372_1414324809_n

 

Algumas crianças com autismo, adoram “testar” a gravidade, não é mesmo? Adoram fazer os objetos rolarem e girarem, e se perdem neste momento. Pensando nisso, e usando como base uma brincadeira do modelo RDI Intervantion, resolvi adaptar para a musicalização.

Você deve criar o desejo da criança em dividir o jogo, em se envolver, engajar na brincadeira. Faça expressões, sons, palavras curtas, como: “ai, caiu, foi”, ou simplesmente usar glissandos.

Não esqueçam de oferecer suporte caso a criança não consiga realizar a atividade inicialmente. Aos poucos o cérebro faz a sinapse necessária para que ela processe a sequencia da atividade.

Varie os materiais e os objetivos de ensino.

Faça muito drama e vozes divertidas, faça cara de surpresa, boicote o caimento das bolas, enfim, use e abuse da criatividade!

Estimular a acuidade auditiva também é o ponto chave da brincadeira.

Abaixo fiz um vídeo tutorial explicando o jogo. Não reparem na gravação “self“. Fica péssimo, mas espero contribuir um pouquinho.

Bjs

Michele Senra

Musicoterapeuta/CBM

Especialista em Educação Musical/CBM

Mestranda em Educação Musical/UFRJ

Curso sobre autismo para educadores musicais e musicoterapeutas

curso agosto

 

Atendendo à pedidos, em agosto estarei ministrando um curso sobre musicalização para autistas com meu amigo Di Lugardes. Não deixem de fazer inscrição. Vagas limitadas!